Buscar
  • MSAN - Advocacia

Ex-gerente Santander submetido a pressão psicológica na empresa recebe indenização por danos morais

Atualizado: Ago 4



Não são poucos os casos de violações dos direitos trabalhistas dos empregados de instituições bancárias. Os principais direitos violados consistem em supressão do intervalo de alimentação e descanso, jornadas de trabalho excessivas e pressões psicológicas por atingimento de metas.


O Banco Santander (Brasil) S.A. foi responsabilzado por indenizar um ex-gerente vítima de assédio moral na empresa por cobrança de metas. A decisão é da Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que proveu recurso do empregado e restabeleceu a sentença que condenou o banco por danos morais e materiais em R$ 180 mil.


O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) havia absolvido, por maioria, o Santander da condenação, sustentando que a depressão do empregado teve origem em sua condição psíquica e fatores pré-existentes. Mas o relator do recurso do empregado ao TST, ministro Alexandre Agra Belmonte, entendeu que o laudo pericial é conclusivo ao dizer que o quadro depressivo apresentado pelo trabalhador, "possui inequívoco nexo de causalidade com a atividade prestada em favor do banco".


Ficou claro, diante das provas do processo, que o banco não se preocupou com o dever geral de cautela, relativo à obrigação de evitar que a doença que acometeu o empregado tivesse se desenvolvido. Ao contrário, "ficou evidenciado que o Santander o submetia a forte pressão psicológica, gerada pelas permanentes ameaças de demissão pelo não implemento das metas", ressaltou.


Por unanimidade, a Terceira Turma do TST reestabeleceu a sentença para condenar o Banco Santander em R$100 mil por danos morais e R$80 mil por danos materiais.


Fonte: http://www.tst.jus.br/noticias/

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo